Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

domingo, 13 de janeiro de 2013

FALA SÉRIO!!!

Comentário retirado da postagem:ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL.

Anônimo disse...
Quer ser pedagogo, mas não quer limpar as crianças? A verdade é que há duas vertentes; Uma, dos profissionais que defendem que a higienização assim como o ensinar a se alimentar, a se vestir, entre outros, sim, faz parte das atribuições do professor do Ensino Infantil, mas também há a oposta, que defende que o correto é haver outro profissional, que não o pedagogo, como por exemplo um “Cuidador”, para fazê-los. Sobre esta segunda situação há de se saber, que há escolas sem condições financeiras de arcar com os custos de um professor bem informado sobre a existência de uma classe de profissionais contra sua participação nas tarefas mencionadas acima, que solicitarão à seus professores do ensino infantil, que as façam, e sim, sem questioná-las. Caso encontre uma escola que se enquadre neste contexto, procure uma outra escola que estimule quem não estuda a estudar ao invés de desestimular quem estuda a não estudar, pois vamos combinar, há de se cursar o nível superior para limpar bumbum? 

Prezado(a) anônimo(a),
A vertente principal, que a priori não deveria ser contestada, que diz que cuidar e educar não se separa e que o professor de educação infantil troca fraldas é o MEC, um órgão federal que normatiza a educação no país.Quanto a escolas que não tem condições de arcar com as despesas, é simples :se não tem condições de assegurar às crianças o mínimo de dignidade, não se metam a pôr pra funcionar...


Essa parcela que é contra um professor ou pedagogo de trocar fraldas,  impede o processo da Educação Infantil de qualidade acontecer no país, pois promove a hierarquização de profissionais que fazem tarefas, se não forem iguais, são semelhantes, e com isso acontecem as quebras de braços dentro de sala de aula, porque um se acha o tal e o outro totalmente desvalorizado, quem sai perdendo são as crianças que ficam no meio do tiroteio.

As atribuições do Professor de Educação Infantil, estão em todos os editais, e não é omitido a função de cuidados, é explícita  a função "trocar fraldas". Portanto, não há a menor condição de acontecer o que você citou acima, ou seja, que o candidato ao concurso público, o professor ou o Pedagogo fique desestimulado a estudar, uma vez que ele poderá desistir do concurso antes de fazê-lo, ele terá a oportunidade de partir pra outra...Na educação Infantil é oito ou oitenta, ou se gosta de criança e tem a consciência de que toda criança faz cocô e xixi  na roupa, dá trabalho e dependendo da situação, até aqueles que se dizem "intocáveis" tem que colocar a mão na massa, ou desiste e procura outros segmentos da educação para desempenhar suas funções, o Pedagogo então, tem um leque enorme de campos para atuar...



Um comentário:

Roberto de Souza Matos Filho disse...

Educação Infantil é também trocar fraldas e curso superior em educação infantil é para ensinar cuidar também das crianças, quem quer ser professor somente para usar quadro é educação fundamental, médio e superior. Há profissões de nível hierárquico e salarial maior e os profissionais trocam fraldas de idosos (geriatras). Que vergonha o profissional que fala isso...