Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

terça-feira, 26 de junho de 2012

VERGONHA PARA ANGRA DOS REIS-RJ E VERGONHA PARA OS DEMAIS MUNICÍPIOS QUE TEM AINDA HOJE UMA VISÃO ASSISTENCIALISTA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O MP do Rio enviou à Secretaria de Educação a orientação para que fosse enviado ao Legislativo um Projeto de Lei alterando o nível de escolaridade do concurso para auxiliar de creche, o MP entendeu que a LDB deve ser cumprida e para atuar nessa etapa da educação todos precisam ter o Magistério como formação. 

As(os) Secretárias(os) de Educação  espalhados pelo Brasil, por falta de conhecimento, teimam em manter as creches no assistencialismo para baratear seus custos, sem se incomodarem com a qualidade da educação.

Falando à respeito de Angra dos Reis-RJ, nós, auxiliares de creche,  ENTENDEMOS  que a gestão que está empossada, que tem como Gerente de Educação Infantil DENISE JORDÃO e tinha como Secretária LUCIANE RABHA( hoje a secretária é RITA SALOMÃO), ignoraram  totalmente o assunto por falta de conhecimento ou até mesmo por incompetência,os  Vereadores(com exceção do Vereador Ilson Peixoto e Vereador Antônio Cordeiro) idem. Fomos às ruas em protesto ao concurso realizado em março/12 com nível de escolaridade FUNDAMENTAL,  fizemos um "apitaço" em frente a Câmara de Vereadores, estivemos presentes também no Evento chamado FITA(Festa Internacional de Teatro de Angra dos Reis) e nada! NÃO ENTENDEMOS o porquê o MP de Angra nada fez, mesmo sob denúncia.



Gente, estamos tratando de educação! Acreditamos ser de responsabilidade dos órgãos superiores fiscalizadores e normativos o impedimento de tais absurdos, não é possível que nesse país a lei não se cumpra!



A todos os corajosos líderes auxiliares de creche, pedimos não esmorecer, sabemos que é difícil, principalmente em lugares pequenos como Angra, ainda mais se usarem da perseguição política como arma(suja) para nos calar, sabemos também da covardia da maioria dos auxiliares que nem ao menos tem a capacidade de procurar na legislação, se o que estamos falando procede ou não, preferem se manter como abitolados, fazendo vergonha à categoria ou então puxando saco das diretoras em troca de abono de faltas e atrasos( esses auxiliares são conhecidos por nomes e serão lembrados pelas suas covardias)deixando assim, uma minoria ser esmagada pelos gestores ordinários. 


Manifestação na FITA:











Então é isso: vitória dos auxiliares de creche do Rio de Janeiro e vitória nossa também, porque a LDB determinou,o MEC também, mas os administradores irresponsáveis fingem que não é com eles, mas nós estamos aqui para impedir que continuem nos escravizando, com salários vergonhosos e carga horária insuportável. Cada vez mais estamos exterminando o assistencialismo das creches, lutamos para que definitivamente em sala de aula, em contato direto com as crianças, só tenham professores, dessa forma as crianças deixam de ser vítimas de um sistema que o que mais vale é dinheiro e poder e não educação de qualidade.

Abaixo, matéria da Folha Dirigida e o link para acesso,  informando sobre a suspensão do concurso no Rio:

"A Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME-Rio) informou nesta terça, dia 26, por meio de nota oficial, que o concurso para 50 vagas de auxiliar de creche está suspenso, temporariamente,  atendendo a uma recomendação expressa do Ministério Público por conta da escolaridade exigida. Segundo a Assessoria de Imprensa da SME-Rio a Secretaria Municipal de Administração, responsável pela realização do concurso, está reunida com a Procuradoria do município analisando a recomendação.
o presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, vereador Paulo Messina, já havia garantido em entrevista a FOLHA DIRIGIDA, no último dia 20, que o concurso seria suspenso, para que fosse alterada a escolaridade da carreira, passando de nível fundamental para médio/Normal (formação de professores), informação que até a última segunda, dia 25, era negada pela SME-Rio.
O concurso para auxiliar de creche abriria inscrições no próximo dia 18 de julho. Para concorrer ao cargo era necessário apenas o nível fundamental, o que motivou toda a polêmica. A remuneração inicial da carreira é de R$1.096,55. Este valor é a soma do vencimento-base de R$597,02 com R$121 de auxílio-transporte, R$89,55 de gratificação, R$24,98 de complemento salarial e R$264 de auxílio-alimentação.


Outro fato que está gerando polêmica é a contratação, realizada este mês, de 1.200 concursados de 2008 (prazo de validade terminou em abril) como temporários. Para o coordenador do  Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ), Sérgio Paulo Filho, as contratações são inexplicáveis. "A prefeitura não teve visão, essas chamadas deveriam ter sido feitas antes do vencimento do concurso. Contratariam essas pessoas como concursados e não terceirizados. É um crime contra quem se inscreveu, obeteve a aprovação e ficou na expectativa de ser um servidor público. O Sepe tem a diretriz de questionar qualquer contratação temporária. Estamos estudando entrar com uma ação para impedir ou atrapalhar essas contratações", finalizou o coordenador.

http://www.folhadirigida.com.br/fd/Satellite/concursos/noticias-SMERio-2012-Auxiliar-de-creche-2000011681434/Auxiliar-de-creche-concurso-esta-suspenso-2000014493515-1400002102880


Para quem quiser denunciar seu município por desperdiçar dinheiro público com o curso PROINFANTIL e realizar concurso público em desacordo com a lei, tirem como exemplo essa carta denúncia enviada pela auxiliar Márcia Núnes aos órgãos competentes, é só fazerem as adaptações:

http://www.4shared.com/file/9IUnsZ1D/Texto_denncia_gasto_do_dinheir.html?

quinta-feira, 14 de junho de 2012

FOI SUSPENSO O CONCURSO PÚBLICO PARA AUXILIAR DE CRECHE QUE SERIA A NÍVEL FUNDAMENTAL NO MUNICÍPIO DO RIO




Uma notícia quentinha e  maravilhosa para nós auxiliares de creche!!! O concurso com exigência de nível fundamental para agente auxiliar de creche foi suspenso no Município do Rio de janeiro. O Vereador Paulo Messina está por trás dessa negociação que culminou nessa suspensão. Compreende-se que não é possível que um profissional que passa até 10 horas por dia dentro de sala de aula seja um profissional desqualificado, isso é brincar com a educação.

Ao contrário de Angra dos Reis que, como venho dizendo, realizou um concurso mês retrasado com esse nível de escolaridade. Os vereadores tem dentre  suas atribuições fiscalizar o Executivo, creio que um concurso que esteja burlando a lei deve ser suspenso imediatamente como aconteceu no Rio, aqui nem o MP quis se envolver, mesmo após denúncias, a prefeitura teve carta branca para prosseguir com um crime cometido contra as crianças da Educação Infantil.


Que esse  ato seja copiado por vereadores de todo país e principalmente que os auxiliares se espelhem nos AACs do Rio que estão cada vez mais fortes e exigentes dos seus direitos. Com união ninguém pode conosco! Devemos reconhecer também o esforço da Secretaria de Educação do Município do Rio, isso deve ser encarado como um indício de negociação, de diálogo.

Parabéns ao Vereador Paulo Messina que vem fazendo história na Educação Infantil do Município do Rio de Janeiro.


Link da matéria:
http://blog.messina.com.br/2012/06/13/em-breve-nas-creches/

Link para para ver o discurso do Vereador Messina na Câmara de Vereadores:

video




O QUE CONFIRMA QUE SOMOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL SÃO NOSSAS ATRIBUIÇÕES.



 Comentário retirado da postagem: A LEGISLAÇÃO É CLARA, FALTA VONTADE POLÍTICA


"Professores de Educação Infantil precisam de nivel médio técnico em magistério e não auxiliares. O nome do cargo já diz AUXILIAR. O erro é deixar as auxiliares como responsáveis pela sala e não contrata-lãs. Quanto ao educar esta junto com o cuidar, entendo que o educar das auxiliares seja informal e o da professora mais pedagógico."


Prezada(o)anônima(o),

Quanto preconceito! Essa é nossa principal luta. Quando o preconceito for exterminado, as metas do MEC serão atendidas. Realmente para se atuar na Educação Infantil é necessário ter como nível de escolaridade o SUPERIOR, ainda sendo admitido o médio técnico, é por conta disse que o Governo federal vem gastando o dinheiro  do contribuinte através do PROINFANTIL(Programa de Formação Inicial para PROFESSORES em exercício na Educação Infantil) criado para formar os profissionais que atuam nas creches de forma irregular com nomes como: auxiliares, pajens, recreadores, auxiliares de recreação, agentes auxiliares de creches, auxiliar de sala, dentre outros. Veja o que diz o REFERENCIAL NACIONAL CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL:


"Embora não existam informações abrangentes sobre os profissionais que atuam diretamente com as crianças nas creches e pré-escolas do país, vários estudos têm mostrado que muitos destes profissionais ainda não têm formação adequada, recebem remuneração baixa e trabalham sob condições bastante precárias. Se na pré-escola, constata-se, ainda hoje, uma pequena parcela de profissionais considerados leigos, nas creches ainda é significativo o número de profissionais sem formação escolar mínima cuja denominação é variada: berçarista, auxiliar de desenvolvimento infantil, babá, pajem, monitor, recreacionista etc."

Tudo na Educação Infantil é pedagógico! Esperamos que depois deste trecho você reveja seus conceitos sobre Educação Infantil e seus profissionais...



Comentário retirado da postagem: ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL.

"Sou auxiliar de creche a 14 anos e sinto-me realizada pelo que faço: cuido, educo,troco fraldas,faço todas as funções pedagógicas,que diz a respeito aos professores.SOU graduada em pedagogia e pós graduação em EI e Anos iniciais.Acredito e apoio o movimento das colegas auxiliares, pois merecidamente devemos ser reconhecidas como professoras de educação infantil desde que qualificada,pois a lei exige.Mas não é um concurso publico com soma de títulos que da experiencia ou pratica para um professor.Muitos professores concursados passam vergonha perto das auxiliares pois modéstia parte de primeira infância nos entendemos e temos condições de sermos reconhecidos como professores uma profissão na qual me orgulho muito.A classe do professor luta por um piso salarial justo,nos lutamos por um reconhecimento e também por uma remuneração justa. ATT. AUXILIAR DE CRECHE RS."

Prezada anônima,

Você cita uma estatística verdadeira sobre os  auxiliares de creche no Brasil, a maioria já  possui o Magistério quando não Pedagogia, ou seja, somos capacitados e  estamos aptos para desenvolver nosso trabalho com qualidade na educação Infantil, falta apenas nosso reconhecimento com a função que de fato cumprimos que é a de professor de educação infantil, quer algumas pessoas queiram, quer não. Dessa forma está muito cômodo para os prefeitos e seus secretários de educação: profissionais capacitados e mal pagos. Já que somos qualificados, portanto, não somos ignorantes, vamos formar uma corrente com elos fortes e exigir do poder público uma solução para nossa situação.


Comentário retirado da postagem: EM SILÊNCIO E SEM AÇÃO NADA VAMOS CONSEGUIR


"Boa Noite trabalho com monitora de creche na cidade de Souto soares Bahia, sou concursada exerço uma jornada de 40 horas semanais ganhando um salário de 600,00,eu também auxilio o professor em sala de aula preparo atividades lúdicas e pedagógicas para as crianças e não somos reconhecidas. Estou cursando a faculdade de pedagogia e tenho formação minima exigida por lei.Gostaria de receber uma ajuda uma orientação e não podemos nos calar isso é um descaso tanto para o profissionais de educação infantil e para a crianças .Obrigada temos que fazer uma paralisação a nível nacional."

A orientação que damos é formarmos movimentos, cada um em seu município, pressionar os gestores a corrigir 
o erro(deles) ao fazer concurso público com  a escolaridade insuficiente. Se para trabalhar na educação Infantil precisa por lei ter o Magistério, por que  não ganhamos pra isso? Não há a mínima possibilidade de se permanecer em sala de aula e não está a todo momento educando as crianças, só se fossemos robôs! A forma pela qual eles vão corrigir esse equívoco não sabemos ao certo, o que sabemos é que não permitiremos mais sermos passados para trás.

Uma paralisação à nível nacional seria uma ótima  saída, mas, por enquanto não é viável por conta de inúmeras perseguições políticas que vem acontecendo em várias secretárias de educação em diversos municípios, fazendo com que muitos se retraiam, embora podemos garantir que gradativamente os auxiliares estão acordando e se unindo aos demais na luta. Hoje, em Angra dos Reis,por exemplo, vemos reações de auxiliares que há um tempo nem abriam a boca.

Um abraço a todos!!!!

Este é o link para o grupo de debate dos auxiliares de creche do Município do Rio de Janeiro: 

quarta-feira, 6 de junho de 2012

O IMPORTANTE É NÃO DESANIMAR, UNIÃO E FORÇA, SEGUINDO EM FRENTE...

"Fico indignada com tanto absurdo na minha cidade,a atual secretaria da educação disse em um determinado curso que as ADI´s não podem ser reenquadradas no quadro de magistério e portanto não poderão ser professoras a não ser via concurso público, disse com tanta negatividade que causou mais desconforto do que já temos, pois recentemente a prefeitura realizou um concurso para professor de creche,a inscrição estava a preço de banana e tivemos muitos concorrentes , nas questões caíram somente questões com conteúdos voltados a ensino fundamental,concluindo, tivemos um público maior para concorrer e muitas de nós perderam a chance de ingressar, pois a colocação ficou a perder de vista. injustiça maior aconteceu depois , quando as professoras assumiram as salas, fomos excluídas do HTPC, HTPL,HA, só nos restou a depressiva condição de vivenciar na pele a desconsideração por tantos anos de trabalho e dedicação, muitas de nós com quase vinte anos de luta e lida , com muito amor e exemplo."


Muitas coisas estão dizendo por aí, a boca fala o que quer, garanto a vocês que a maioria das Secretárias de Educação nem sabem o que estão dizendo, estão mais perdidas que cego em tiroteio, assumem a função sem saber absolutamente nada sobre a Educação Infantil, tem em mente que estamos na era assistencialista, que existe um profissional para cuidar e outro para educar. Podem crer que isso é verdade, já ouvi por diversas vezes a frase: "quem irá trocar as fraldas"? Isso leva a crer que a ignorância reina.

Mas estamos sendo observados pelos órgãos competentes, por isso o nosso clamor para que todos façam bastante barulho, demonstrando nossa insatisfação, sempre embasados com provas, por isso fotografem tudo, filmem, gravem, principalmente quando estão sozinhos com as crianças em sala de aula, fazendo ou ajudando fazer o Projeto Pedagógico.  Não podemos continuar a sermos "quebra-galhos", fazemos  trabalho docente e temos que ser reconhecido por essa função, ou então que volte o assistencialismo! 

Não podemos também  pagar o preço pelo erro do concurso. Nosso caso é um caso à parte, não estamos querendo virar professores, nós somos! Foi-nos imposta essa função!  Pra eles está muito bom, professores a preço de banana(como disse você).

Voltamos a dizer, não há punição para o município que não cumpre a LDB, enquanto isso não acontecer, assistiremos esses absurdos de profissionais sem qualificação dentro de sala de aula. O Governo Federal também precisa fazer sua parte e entrar com recursos específicos para os profissionais dessa área, porque muitos municípios não tem condições de arcarem com as despesas da Educação Infantil(não é o caso de Angra dos Reis, que tem uma arrecadação de quase um bilhão).


Abaixo vídeos que mostram o movimento de nossos colegas auxiliares em prol da inclusão no Magistério:


video




video
                                          












terça-feira, 5 de junho de 2012

DESDE 1996, NA EDUCAÇÃO INFANTIL SÓ DEVERIA TER PROFESSORES. ESTAMOS BEM ATRASADOS!

"Eu tenho uma dúvida e preciso de uma resposta, se todos os auxiliares de creche virarem professores a sala irá ficar com dois professores? Não há risco de problemas de relacionamento e autoridade em uma sala com duas pessoas com as mesmas obrigações, e se todos fizerem 4 horas, quem irá ficar com as crianças no intervalo das 11:00 ás 13;00horas. Aguardo uma resposta."



Prezado anônimo,




Segundo as normas do MEC, nas salas de aula da Educação Infantil só deveriam atuar professores. O  PROINFANTIL (Programa de Formação Inicial para Professores em Exercício na Educação Infantil) é prova disso, é um curso emergencial, ofertado pelo Governo Federal, com o objetivo de formar àqueles que estão em sala de aula sem a formação exigida pela LDB/96.




Não há risco de ter problemas de relacionamento se todos tiverem a mesma formação e os  mesmos salários, problemas existem da forma que está, pois os auxiliares fazem as mesmas funções e recebem salários duas a três vezes menores, com a carga horária dobrada, o que vem acarretando  sérios problemas de saúde aos auxiliares. Ninguém suporta ficar em sala de aula durante o período de 08 a dez horas. A Educação Infantil do futuro deverá ter dois turnos.




A educação almejada, ou seja, aquela maravilhosa, escrita no papel é a etapa da educação mais onerosa, haja vista que todos devem ter formação de professores, em contrapartida é nessa etapa que se inaugura a educação da criança, sendo de extrema importância uma iniciação de qualidade, com profissionais competentes, seus efeitos positivos  serão sentidos no Ensino Fundamental. Comprovadamente as crianças que vem da creche tem um desenvolvimento surpreendente.


Um abraço,