Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

RETROCESSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DE ANGRA: CONTINUAREMOS A SER PAJENS!!!

O Governo Federal deste 1996 com a criação da LDB, PNE, FUNDEF/FUNDEB, Política Nacional da Educação Infantil, Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil vem movendo esforços e disponibilizando verbas para que os municípios qualifiquem e valorizem todos os profissionais que atuam na educação infantil, que estão em exercício em sala de aula em contato direto com as crianças, prova disso é a exigência de formação em magistério para estes profissionais, independentemente das nomenclaturas. Tanto esta escolaridade é exigida, que Angra dos Reis aderiu ao PROINFANTIL (Programa de Formação Inicial para Professores em exercício na educação Infantil), alguns auxiliares de recreação e berçário, que ainda não possuem a formação em magistério o estão cursando.

Até aí a Prefeitura deu um passo na direção de uma melhor qualidade para educação infantil do Município, porém quando reivindicamos a nossa valorização, e um salário digno para nós, educadores, as coisas começaram a andar pra trás. Nesta quinta-feira 04/02, aconteceu uma reunião convocada pela gerência de Educação Infantil e nos foi apresentado uma "proposta" (porém temos a obrigação de cumpri-la), sobre a mudança da rotina nas creches públicas municipais . Segundo as coordenadoras esta mudança se baseia nas reclamações dos auxiliares, e as mudanças mais polêmicas foram:
  • Alteração no horário do banho, na "proposta" o horário de banho das crianças, será ás 14h, assim após as atividades direcionadas no parque as crianças terão que almoçar e dormir suadas, sem banho.

  • Separação radical do cuidar e educar.
O Docente I e a Berçarista, que atuam nas creches ficaram incumbidos do que eles chamaram de "ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DE ESCOLARIZAÇÃO", e nós, auxiliares de recreação e berçário ficamos com a função de realizar as atividades chamadas por eles de "ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA". sendo assim pela manhã, na presença do docentes acontece as atividades pedagógicas e os auxiliares serão responsáveis pelos cuidados das crianças e pelas atividades que chamaram de recreativas.
Agora perguntamos: "ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA" não são pedagógicas?
Então as crianças somente terão, segundo eles, momentos pedagógicos com o Docente I e a Berçarista, que não estão nas creches em período integral?

Isto entra em contradição com o que diz a legislação, que não há separação entre cuidar e educar na educação infantil , contradiz também ao que a Coordenadora Glauciane disse durante a reunião:

"Tudo o que acontece na creche é pedagógico."
"Brincando a criança constrói conhecimento e se desenvolve"

Queremos esclarecer que em nenhum momento reclamamos de realizar as atividades pedagógicas(reclamamos sim de educar e não receber por isso) visto que estas funções são inerentes a nosso cargo, o Brasil busca que as creches se tornem de fato uma agência de educação, para isso é necessário que seus profissionais sejam qualificados e que seja esquecido aquele papel antigo de assistencialismo, onde as crianças ficavam ali "guardadas" para que suas mães fossem trabalhar.

Mesmo tentando mascarar a real intenção da mudança de rotina das creches, é evidente e ficou claro aos auxiliares, que a Secretaria de Educação tenta fazer a separação de cuidar e educar, contrariando assim a legislação e a estudiosos da educação infantil, tiraram o termo pedagógico de nossas atividades em uma tentativa frustrada de impedir nossa valorização e reconhecimento.

Estamos cursando o Proinfantil, existe muito dinheiro público em jogo, por que o governo federal investiria tanto dinheiro com a nossa qualificação??? Seria para deixarmos o conhecimento adquirido na gaveta??? Ou seria para colocarmos em prática em nosso dia-a-dia com as crianças??? E agora quem deveremos obedecer, a Legislação Federal ou nossa Secretaria de Educação??? Será possível entrarmos mudos e sairmos calados das creches, sem participar do desenvolvimento das crianças???

Na prática mesmo que não conste no planejamento de aula o termo pedagógico nas atividades que realizamos, nada muda, por natureza nossas atividades são pedagógicas. Para se ter uma idéia, de acordo com a secretaria de educação, até mesmo o banho na creche é um momento pedagógico:

"A hora do banho na creche também deve ser entendida como um momento pedagógico rico e facilitador para a construção de conceitos e hábitos por parte das crianças". (Trecho retirado da Série Cadernos Pedagógicos, volume 2, educação Infantil 2008. Organização Curricular da rede Municipal de Ensino de Angra dos Reis.)

Em Angra estamos na mesma situação de antes da publicação da LDB/96, com a chegada do Proinfantil pensamos que era chagada a hora de nossa valorização, porém as atitudes da secretaria de educação nos levam a crer que continuaremos como pajens, uma das nomenclaturas antigas do atual Professor de Educação Infantil, onde trabalham exercendo a função de cuidar e educar, sem ter o devido reconhecimento e valorização. O que nos causa indignação, é que antes da LDB/96 essa situação era aceita, já que as creches não faziam parte da educação, mas hoje em diante de tantos estudos onde os pesquisadores estudiosos da educação infantil, chegaram a conclusão que esta é uma fase decisiva para a formação de uma pessoa, citamos como exemplo um trecho do Plano Nacional de Educação:


"Se a inteligência se forma a partir do nascimento e se há "janelas de oportunidade" na infância quando um determinado estímulo ou experiência exerce maior influência sobre a inteligência do que em qualquer outra época da vida, descuidar desse período significa desperdiçar um imenso potencial humano."

"A educação infantil é a primeira etapa da Educação Básica. Ela estabelece as bases da personalidade humana, da inteligência, da vida emocional, da socialização. As primeiras experiências da vida são as que marcam mais profundamente a pessoa. Quando positivas, tendem a reforçar, ao longo da vida, as atitudes de auto confiança, de cooperação, solidariedade, responsabilidade."

"A formação dos profissionais da educação infantil merecerá uma atenção especial, dada a relevância de sua atuação como mediadores no processo de desenvolvimento e aprendizagem."

Sendo assim todos os profissionais que atuam diretamente com a criança, são responsáveis por seu desenvolvimento físico, psico-social, cognitivo e linguístico, portanto se temos que ter uma formação específica(curso de magistério), devemos ser remunerados de acordo com nossa formação.
Para esclarecermos melhor os assuntos abordados, retiramos trechos da justificativa do Projeto Lei nº 5446/2009 de autoria do Deputado Carlos Zarattini,

"Na maior parte do tempo o professor permanece em pé na sala de aula e quando seu trabalho é exercido em creches ainda exerce as funções de cuidar, carregando os bebes, levando-os ao solário e a outras atividades."

"Convém esclarecer que a maior parte dos docentes e demais profissionais de creche recebiam outras denominações antes e mesmo após a promulgação da Constituição Federal de 1988, porque as creches eram consideradas como instituições de natureza assistencial e não educativas. A transferência das creches para o sistema educacional não alterou a natureza das funções que exerciam, ao contrário, apenas reconheceu que essas instituições sempre tiveram como objetivo propiciar a primeira formação da criança, ou seja, a creche foi reconhecida como o primeiro nível educacional: a educação infantil."
"Para a caracterização de qualquer função são dois os requisitos exigidos: natureza das atribuições e a formação educacional exigida no tempo em que a atividade foi desempenhada. Ora, se o profissional de creche exercia a função de educar a criança, resta caracterizada que sua atribuição era de professor, independentemente da nomenclatura e da formação inicial requerida pelo seu cargo."

30 comentários:

Jú disse...

Gente eles agora vão exigir que a gente escreva sobre a atividade recreativa (segundo a ignorância deles)que daremos a tarde, é só a gente fazer brincadeiras recreativas PEDAGÓGICAS, vamos ensiná-los a ler, escrever, contar, nas brincadeiras. Vamos fazer o tiro sair pela culatra.Ainda bem que não pensamos como eles, pensamos mesmo insatisfeitos, primeiro nas crianças, elas não podem sair prejudicadas.

Anônimo disse...

Hahahaha,esse pessoal é mal, fizeram a reunião com as diretoras e as docentes I debaixo do ar condicionado, e para os auxiliares foi no na escola do Morro da Cruz, debaixo do calor escaldante e ainda queriam que arrumássemos as cadeiras ao saírmos.A reunião foi mesmo para colocar a gente no lugar que "elas pensam" que é da gente.Será que estas pessoas pensam que vão ficar eternamente no poder??? será que pensam que em algum dia alguém possa fazer covardia com elas também?

mili disse...

Que absurdo,banho as 14 horas...claro,claro já ia me esquecendo,todas as salas de todas as creches tem ar condicionado. Assim como na Secretaria de Educação.rsrsrs...Já essa diretora Édna,vergonha pura!!!

N disse...

Vamos contar a verdade pros pais, vamos dizer que a a partir de segunda as crianças na creche dormem sujas e suadas, por que a educação infantil está de implicância com a gente.Muitas destas criança em casa tomam banho antes de dormir a tarde, os pais não vão gostar nada disso.

Anônimo disse...

Pessoal vamos escrever para todos os órgãos federais, inclusive o Mec para acessar nosso blog, eles vão gostar do que esté escrito aqui.Vamos pedir a eles sigilo da nossa identidade.

Anônimo disse...

Essa "reunião" foi uma vergonha... Enquanto na parte da manhã foi apenas com os "Docentes", no auditório, com ar condicionado, água, cafezinho e banheiro, nós, "Auxiliares", fomos colocados no refeitório, com apenas 2(dois) ventiladores de teto, sem água, muito menos café, e sem podermos usar os banheiros porque estavam sendo pintados e ainda tendo que carregar os bancos para sentarmos... E isso tudo para nos mostrar quem era que mandava e quem eram os mandados na situação... Pura falta de respeito e "preconceito" por nós, "EDUCADORES" de creche... Gostem ou não é isso o que somos... VERGONHA!!!!

Anônimo disse...

Que absurdo! Se o proinfantil veio para qualificar o educador infantil,pois como eles mesmo diziam que tínhamos a prática,só faltava a teoria,a creche só tinha a melhorar cada vez mais para uma educação de qualidade, porém agora em Angra estamos adquirindo a teoria, mas a gerência infantil querem que deixemos de exercer a prática pedagógica, com intenção de não nos valorizar,só que nós sabemos que quem atua na sala de aula diretamente com crianças, qualquer que seja atividade, banho, brincadeira, tudo é pedagógico! Isso é uma vergonha!Que discriminaçao com nossa classe!

Anônimo disse...

Então quando o professor faltar,e também no período de 11h30 às 17h, a creche será assistencialista? Parece que essa é a intenção, enquanto alguns municípios valorizaram os profissionais, reconhecendo a necessidade de uma ascenção educacional nas creches para a construção de fatores que determinam um melhor desenvolvimento para crianças, tanto físico, como psicológico, emocional,estimulando sua aprendizagem por toda vida. Angra prefere regredir! Que tristeza!

Anônimo disse...

Angra parece não entender que creche é escola, e não há educação de qualidade sem profissional qualificado e valorizado. Não há como estarmos o dia inteiro com as crianças e não participarmos de seu aprendizado, não há como deixarmos de responder aos seus questionamentos, não há como deixarmos de estimular seus aprendizados.

Kaká disse...

A anonima tem razão, as crianças nesta fase, são curiosas, sempre esrão nos questionando- tia, que cor é está?que número é este,o que é isso? o que é aquilo? a partir de agora, a gerência da educação infantil de Angra determiniou que não é para respondermos, pois isto é pedagógigo,temos que pedir para a docente I responder.Um absurdo!

Anônimo disse...

COLEGAS, EU JÁ DISSE PRA VOCÊS, JÁ PENSARAM NESTA GESTÃO COM TANTO ÓDIO DA GENTE, PREJUDICANDO ATÉ AS CRIANÇAS PARA NOS ATINGIR, CRIAR NOSSO PCCR?ELES VÃO NOS FERRAR, ACHO MELHOR, ESPERARMOS A NEGAÇÃO DO RECONHECIMENTO, ENTRAR NA JUSTIÇA COMUM E ASSIM GARANTIR NOSSO RETROATIVO E EMPURRAR ESTA QUESTÃOCOM A BARRIGA ATÉ O PRÓXIMO GOVERNO JÁ CIENTE DE NOSSAS REINVIDICAÇÕES, ACHO QUE JÁ ESTÁ NA HORA DE IRMOS AOS VEREADORES. É SÓ MINHA OPINIÃO. PENSEM BEM...

Anônimo disse...

Vamos contatactar as Revistas Veja, Isto é e outras. O Brasil precisa saber o que acontece no País que vai sediar as Olimpiadas e a Copa do Mundo.
A Educação Infantil é levada à sério nos paíse de primeiro Mundo.
Se o Brasil quer tanto se assemelhar a eles, por que então não começa pela Educação?
Estamos falando sobre o Estado do Rio de Janeiro e cidadades de Angra dos Reis e Rio de Janeiro.

Anônimo disse...

fala sério até pouco tempo as coordenadoras falavam: " O PROJETO PEDAGÓGICO NÃO ACONTECE SEM VCS, VCS PRECISAM PATICIPAR DO PLANEJAMENTO, DA APLICAÇÃO DAS ATIVIDADES, COMO SÃO VCS QUE PASSAM MAIS TEMPO COM AS CRIANÇAS VCS CONHECEM MELHOR SUAS NECESSIDADES, COM ISSO VCS TÊM MAIS CONDIÇÕES DE SABER QUAL É A MELHOR PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA TRABALHAR COM SUA TURMA." E agora só pq queremos nosso reconhecimento não somos mais nada!!! Quanta cara de pau!!!

Anônimo disse...

Que mentes atrasadas aqui em Angra! Por mais que vcs coloquem no blog o link para revista criança parecem que não a lêem, por isso vou colar aqui um pedaço da matéria da revista criança:
"Os dados do Censo Escolar 2004 demonstram a existência de aproximadamente 40 mil professores em exercício sem a devida formação. Tal fato justifica a ação do MEC de elaborar, em regime de colaboração com estados e municípios, um Programa para formar os pro fessores de Educação Infantil – o PROINFANTIL. Dessa forma, todos os que atuam na docência , nas redes pública ou privada sem fins lucrativos, e que muitas vezes são chamados de monitores, pajens, recreadores ou babás são o público alvo deste Programa."
É O MEC QUE DIZ QUE NÓS EXERCEMOS A FUNÇÃO DE DOCENTES E Q TEMOS DE TER A FORMAÇÃO!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

VAMOS PROPOR UMA TROCA COM SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, NÓS DAMOS A ELES NOSSOS POUCOS VENTILADORES QUE NADA VENTILAM E ELES MANDAM PRA NÓS AQUELES AR CONDICIONADOS LÁ DA SECRETARIA. TEM UNS QUE O AR CONDICIONADO É MAIOR QUE A SALA.

Fab. disse...

Uma coisa que me chamou atenção foi quando vcs colocaram aí sobre a natureza das nossas atribuições e o Deputado Zarattini também disse isto, então entendi que não precisaremos de um novo concurso público porque a natureza de nossas atribuições continuarão as mesmas, ou seja, não faremos atribuições diferentes, continuaremos cuidando e educando das crianças, se caso acontecesse aí sim precisaríamos de um outro concurso, foram eles que erraram o concurso pedindo um nível de escolaridade insuficiente.Então eles que arrumem!

Professora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

QUE NÓS VAMOS CONTINUAR REALIZANDO TRABALHOS PEDAGÓGICOS, TODO MUNDO SABE, INCLUSIVE ELAS, NÃO ADIANTA TROCAR O NOME PEDAGÓGICO POR RECREATIVO. VAMOS GALERA FAZER AS ATIVIDADES "RECREATIVAS". VAMOS MOSTRAR O QUANTO AS CRIANÇAS SE DESENVOLVEM COM AS ATIVIDADES "RECREATIVAS", O QUANTO ELAS APRENDEM CONOSCO.

Dri disse...

Só em angra mesmo onde tudo pode!
O governo federal fala que cuidar e educar são inseparaveis e Angra quer separar. Quando vão entender que por mais que queiram, fazer somente o cuidar não dá, as próprias crianças nos solicitam, não dá pra ficar o dia inteiro com uma criança e não ensiná-la, NÃO É POSSÍVEL!!!!

Professora disse...

Parabéns Fab. vc entendeu!nós prestamos um concurso exatamente para cumprirmos as funções que exercemos hoje,o que faltou foi possuírmos o nível de escolaridade exigido pela LDB/96 que é o magistério, mas não fomos nós que erramos foi quem organizou o concurso em desacordo com a legislação.O Proinfantil veio para oferecer a qualificação a todos os profissionais que estão atuando em sala de aula de formas irregular , alguns municípios já regularizou esta situação enquadrando aqueles que estavam à márgem da legislação e passaram a promover novos concurso públicos para este cargo com a escolaridade exigida por lei.Só mais um detalhe,ocorrendo o enquadramento, só poderemos atuar na educação infantil, crianças de 0 a 5 anos em respeito ao nosso edital, se pretendermos lecionar para 1ª a 4ª série, aí sim precisaremos de um novo concurso.
Um abraço.

Anônimo disse...

Olá pessoal!

Só discordo do(a) colega q diz q "...creche é escola...". Creche é creche, escola é escola! Os dois tem formas distintas de se educar. Compreendo q na creche a criança aprende por prazer, brincando, questionando,..., já na escola, infelizmente, ainda encontramos o modelo escolático de ensino, onde as crianças ficam enfileiradas, uma atrás do outra, olhando para o "detentor" (?) do saber que é o professor, muitas das vezes o saber das crianças é medido por uma avaliação quantitativa e não qualitativa. Quem sabe um dia possamos comparar "creche com escola!"
Essas minhas palavras são de contribuição de uma professora que compreende a causa de vcs. Mas um conselho: "Não metam os pés pelas mãos! Vão com calma! Vcs têem direitos sim, mas é preciso equilíbrio no q se fala para não perder o q é de vcs por direito!

Um abraço fraterno!

Professora disse...

Anônimo de 23:53,realmente vc tem razão, a maneira com que as creches e as escolas passam o conhecimento são bem diferentes, as crianças nas creches aprendem através do lúdico, suas atividades precisam ser prazerosas, precisam envolvê-las, o que torna o papel do educador um desafio a cada dia, pois necessita sempre ter uma novidade na manga e um belo jogo de cintura para os imprevistos. Mas por que não comparar creche com escola, se ambos estão presentes na vida das crianças para que elas se desenvolvam e sejam cidadãos dignos? Se vc nos diz que creche e escola ainda são incomparáveis então o governo federal ainda não conseguiu atingir seu objetivo aqui em Angra, por que deste 1996 ele incluiu a educação infantil, oferecida em creches e pré-escolas como a primeira etapa da educação básica.
Nós, auxiliares de berçário e recreação estamos fazendo nossa parte, estamos nos qualificando, em magistério, através da iniciativa do governo federal e aceita pelo município com o objetivo de entender melhor as necessidades das crianças, passando assim a lhes oferecer melhores oportunidades de aprendizagem, pena que a Secretaria de Educação de Angra não quer que utilizemos todo o conhecimento que estamos adquirindo,só para não nos dar nosso devido reconhecimento. Querem parar na era assistencialista e não enxergam a atual concepção da educação infantil.
Vamos continuar nossa luta e apesar de chamarem nossas atividades de recreativas, elas continuarão a ser pedagógicas, quando estivermos com as crianças iremos sim utilizar todo o conhecimento que estamos adquirindo.

Obrigada pelo apoio!
Um abraço.

Paty disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Que contraditório!!!!! Antes de começar a cursar o Proinfantil, nossas atividades eram pedagógicas, porém tínhamos a prática e não a teoria. Agora que estudamos para aplicar o que estamos aprendendo chamam nossas atividades de RECREATIVAS.
Que coisa heim!

Anônimo disse...

O que mais me espanta é passarem por cima do direito das crianças. Neste calor elas terão que tomar banho só às 14h, terão que almoçar e dormir sujas e suadas, só para nos atingirem, só para que na parte da tarde, onde o docente I não está presente, nós tenhamos menos tempo para realizar nossas atividades "recreativas".
QUE ABSURDO!!!!!

Anônimo disse...

Triste isso heim moçada, estamos proibidos pela gerência de educação infantil a colocar em prática o que estamos aprendendo no Proinfantil, só em Angra mesmo acontece uma coisa desta.

Anônimo disse...

Por que não aprendemos com as nossas crianças que gritam para se fazerem ouvir e terem seus desejos atendidos/

Professora disse...

Pode ter certeza que não ficaremos quietos até que nossa situação seja regularizada.

Anônimo disse...

não é diferente da minha cidade do mato grosso é uma vergonha, todos tem nível superior em pedagogia em educação infantil, e o prefeito não muda por causa do tribunal de conta, a educação dos pequenos nada importa para eles todos juntos com os vereadores.

Professora disse...

Cara(o) anônima(o) das 18:27,


Eles não mudam não é por causa do Tribunal de Contas e sim por que não querem, nós não faremos uma outra função, faremos a mesma, não há uma transposição de cargo. Nosso cargo pode e deve ser extinto, eles tem embasamento legal para isso. Falta vontade política!