Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

domingo, 13 de novembro de 2011

O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDA E EDUCA, OU MUDOU???


Comentário retirado da postagem:

Me desculpem quem pensa diferente, mas eu só tenho uma questão a colocar. SE o professor deve prioritamente zelar pela higiene da criança, assim como os demais auxiliares ( questão esta que concordo, pois não acho que vai cair a mão de ninguém ajudar uma criança que precisa de cuidados nesse sentido), mas como eu dizia, pergunto: Durante as atividades, onde o professor esteja executando o plano pedagógico, e duas crianças precisem trocar fralda ou ir ao banheiro, o PEI tem que parar sua "aula" para dar a devida atenção a criança, só porque TB é tarefa dele fazer? e as auxiliares, não estariam ali justamente para TB dar apoio a PEI enquanto a mesma executa a atividade "principal" que é a de educar? Creio que os PEIS vieram para somar com os auxiliares, mas tb estou achando que vai ficar SOBRECARREGADO ao PEI ter q exercer as MSMS funções dos auxiliares e AINDA elaborar td processo pedagógico.

Se virmos por este ponto de vista, daqui a pouco os PEIS vão começar a reinvidicar o excesso de trabalho, não pela jornada, mas para que haja um foco correto na educação que se deseja desenvolver em sala de aula nas creches, é preciso entender que os PEIS não são os "super-homens e mulheres" que terão as mil e uma tarefas a desenvolver, pois SE o PEI pode cuidar da parte de higiene da criança, os AAC tb DEVEM participar do planejamento pedagógico, para que não haja sobrecarga numa classe ou outra!

Prezada anônima,

Nós pensamos completamente diferente de você, e com embasamento que é o melhor. Essa confusão já foi muitas vezes abordada por aqui, isso acontece por que simplesmente o binômio cuidar e educar não se separam, não tem como um cuidar do corpo e outro da mente já que TODAS as atividades na educação infantil são educativas, tendo como eixo norteador o lúdico.

Pelo menos em um ponto avançamos, as funções de cuidados estão inseridas nas atribuições do PI, dessa forma, não tem como fugir,não existe atividade principal nem secundária, você está "viajando" e precisando se fartar na leitura dos documentos do MEC, pelo sua fala e ideias desorganizadas, vejo que prestou o concurso sem a mínima noção do que representa a Educação Infantil.

Os Professores de Educação Infantil que ingressaram agora, precisam se acostumar, o cargo de auxiliar de creche sendo extinto(estamos lutando pra isso, já que é previsto em lei) só restarão no futuro os próprios PIs. E aí? Quem fará os cuidados? O papa?

Você não foi enganada como a gente que só após a posse descobrimos que iríamos atuar como professores, suas atribuições já estavam explícitas, portanto se acostume, trabalhar na educação infantil requer paciência, amor e acima de tudo vocação, começar reclamando mesmo tendo uma carga horária e salário jutos é mal sinal...

Ps.: Temos muitos comentários à liberar e comentar, são provas e trabalhos de faculdade que nos impedem, só pedimos um pouco de paciência!

4 comentários:

Anônimo disse...

AUXILIAR DE PELOTAS. OLÁ, ESTOU RETORNANDO A FALAR DO MESMO ASSUNTO QUE É CUIDAR E EDUCAR,OS "DITOS" PROFESSORES NÃO CONSEGUEM ENTENDER ESTE BINÔMIO INDISSOCIÁVEL, É SÓ PROCURAR NO DICIONÁRIO PARA COMPREENDER. VOU EXPLICAR CLARAMENTE, EXEMPLO: QUANDO O PROFESSOR ESTÁ SOZINHO NA SALA DE AULA, VAI SOMENTE TRABALHAR COM ATIVIDADES QUE ENVOLVAM PINTURA,DESENHO LIVRE,BRINCADEIRAS ETC... NÃO VAI TROCAR FRALDAS,NEM LEVAR A CRIANÇA AO BANHEIRO? ASSIM TAMBÉM O AUXILIAR QUANDO ESTIVER SOZINHO, ESTE TAMBÉM SÓ IRÁ TROCAR FRALDAR,CUIDAR DA HIGIENE EM GERAL,ALIMENTAÇÃO ETC...? NA VERDADE FIZEMOS ISSO E MUITO MAIS, SOMOS TAMBÉM PROFESSORES, O QUE DIFERE É O SALÁRIO QUE É VERGONHOSO. O MELHOR A FAZER É NOS JUNTARMOS PARA QUE A EDUCAÇÃO INFANTIL VENHA A SER DE QUALIDADE, COM PROFISSIONAIS CONSCIENTES DO SEU PAPEL COMO EDUCADOR ÉTICO, E ACIMA DE TUDO COMPROMETIDO COM A EDUCAÇÃO.ABRAÇOS A TODOS OS EDUCADORES.

Vânia disse...

KKKKKK,quem disse que os AAAC não participam do projeto? Será que essa PI está no Brasil? Tanto o PI como o AAC fazem a mesma tarefa, só com salários e carga horária diferentes, nós estamos em desvantagem, por isso reclamamos, agora, os PIs já sabiam do peso de trabalhar na EI, quer moleza? Procure outra função, se tá cansada, imagine nós que fficamos por até 10 na creche?resser

zel disse...

é incrível como nós auxiliares conseguimos
desenvolver a função de cuidar e educar das crianças e as chamadas PIs não conseguem. será por quê?

Anônimo disse...

Aqui em Praia Grande SP não sei se é tudo igual ou pior,já que alguns diretores exigem que colchões sejam higienizados com esponjinha e sabão(pelas atendentes de ed),as máquinas de self service tbém são esvaziadas e limpas por elas,atendentes as vezes nem podem conversar com os pais de alunos(são proibidas por suas diretoras).Será que isso faz parte da atribuição do quadro do magistério???? Até qdo as pessoas tem que engolir caladas,já que aqui o que se vê é que a impunidade impera.Os profissionais de educação infantil que iam na câmara td semana lutar pelos direitos,sofreram represálias,pois foram transferidos de Unidades,ficando bem longe de suas residências.Por que será que nada acontece???Aki ngém mais quer lutar porque estão com medo de perderem seus empregos.Foi aprovado aki na cidade um plano de carreira específico para a categoria,isso é correto?Por favor quem souber o melhor caminho nos informe!Obrigada!!!!