Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

ENQUANTOS UNS SE APRESSAM PARA CORRIGIR O EQUÍVOCO, OUTROS DÃO UMA DE "JOÃO SEM BRAÇO"

Comentário retirado da postagem:PALAVRA DO(A) VERDADEIRO(A) PEI...

jonny disse...

Boa noite estou precisando muito da ajuda de todos voces. Já postei um comentario aqui antes e fui prontamenete repondido e desde ja agradeço. Como comentado anteriormente hoje (1/12/2011) tivemos uma reunião com a nossa chefe de educação infantil e ela se comprometeu e nos transfomar em professores de educação infantil mais nos pediu ajuda para no dia 9/12/2011 montarmos juntos um projeto de lei com essa finalidade para envio aos vereadores para votação.

Contudo surguiu um problema como alguns de nos(assim como eu)não possui ensino medio normal o que fazer com esses profissionais ate mesmo porque alguns( dentre não estou incluso) não querem fazer o PROINFANTIL que foi oferecido por nossa chefe de educação infantil pra habilitar esse profissionais que não possuem o nível mínimo exigido pelo MEC, como elaborar esse projeto de lei sem prejudicar a ninguem e sem incorrer-mos em irregularidades, já que todos fizemos o mesmo concurso e temos o mesmo piso salarial o que mudaria com a nova
denominação.

Gostaria de pedir encarecidamente para todos aqueles que possuam materiais que possa nos auxiliar nesse projeto de lei para que enfim tenhamos a valorização que por anos lutamos. esclareço que eu vou fazer o proinfantil pois compartilho da ideia de possuirmos qualificação para avançarmos na qualidade na educação infantil. desde de ja agradeço e deixo a disposição meu e-mail para envio de materiais e quaisquer questionamentos. segue : jonnymachado@gmail.com


Prezada Jonny,

Em primeiro lugar parabéns a sua Gerente de Educação Infantil pela iniciativa em regularizar a situação de vocês, são raros os municípios que querem dialogar, na maioria são truculentos, e correm de diálogo, por que são os maiores preconceituosos.

Quanto aos auxiliares de creche que não possuem o Magistério, o que vimos até agora, baseado na ação dos municípios que enquadraram os chamados auxiliares de creches, foi a determinação de um prazo máximo de cinco anos para que essas pessoas sem a formação exigida por lei se capacitassem, caso se recusem, ficarão num cargo à parte em extinção , pois sem a qualificação é impossível atuar dentro de sala de aula e se inserido no Plano de Carreira do magistério.

Quanto ao material para apoio ao PL, o abaixo assinado virtual(ao lado) pode servir como base, pois é bem fundamentado.

Boa sorte e nos mantém informados!

7 comentários:

jonny disse...

Obrigado pelos esclarecimentos. Voce por acaso possui as leis que tranformaram os auxiliares em professores ou pelo menos o nome desses municipios que assim o fizeram? Caso possua por favor me envie por e-mail jonnymachado@gmail.com
Desde já agradeço e fico no aquardo da resposta.

zel disse...

no município de São Gabriel da Palha a situação está muito difícil, pois as auxiliares não se unem. na semana passada ficamos sabendo que uma vereadora que é professora mais que não estava atuando em sala acabou de assumir uma sala de aula do berçário na educação infantil do município e o problema é que nessa turma já tem um professor que trabalha no período vespertino e para não criar problema para a atual professora decidiram colocar a nossa vereadora professora no período matutino nessa mesma turma. ou seja,apenas em uma creche, e só em uma turma dessa creche que é o berçário tem dois professores um no período da tarde e outro no período da manhã. não sei o que fazer onde reclamar ou denunciar.

Professora disse...

Prezada Zel,

Pelo que entendi, aí em seu município existem os chamados professores de 40 horas, se assim for, estão cometendo crime, pois a professora não está cumprindo sua carga horária, mas me diga uma coisa: se ela é Vereadora como pode estar em sala de aula, isso é ilegal! Vá ao MP e faça a denúncia, não precisa se identificar.Quanto a falta de união da categoria, isso é muito comum, são meia dúzia a lutar e se expor, enquanto outros colhem os louros de braços cruzados.Disso não tem como correr, os covardes sempre existiram e existirão...
Abraços

zel disse...

O que acontece em nosso município é igual a muitos que tenho acompanhado nesse BLOG, professor em um só período e no período que não tem professor quem tem a função de cuidar e educar as crianças são das auxiliares de educação infantil . quanto a vereadora, ela tinha a cadeira dela em uma creche desse município mas já tem alguns anos que ela não estava atuando como professora, trabalhou na saúde e em 2008 ganhou para vereadora e no mês de novembro desse ano abriu uma vaga no pré da creche que essa vereadora tem sua cadeira, ela quis retornar a sala de aula mas não no pré onde abriu a vaga e sim no berçário, só que no berçário já tinha uma professora no período vespertino que por direito não tinham como tirá-la, então decidiram deixar a professora vereadora no período matutino.os professores trabalham 25horas semanal em nosso município, o que está acontecendo é uma irregularidade para satisfazer a vontade da vereadora, pois é só nessa creche e só em uma turma dessa creche que tem essas duas professoras.

Lilian disse...

Oi pessoal, gostaria de compartilhar com vcs mais uma conquista acabamos de conseguir a tão sonhada equiparação salarial,já haviamos conseguido as 30 horas e agora um salário equivalente ao dos peb,enfim devagar e unidos estamos conseguindo alcançar nossos objetivos.Boas festas a todos!!!Lilian -Arujá-Sp

jonny disse...

Olá mais um ano se inicia e espero que tenhamos vitórias neste ano...
Estou precisando com urgência da ajuda de todos vcs, em breve teremos uma reunião com a nosso chefe de educação infantil e estou precisando do do maior número de documentos possíveis sobre adicional de insalubridade. Se puder me passar a relação dos municípios que já pagam aos agentes de creche nos seria muito útil. Em nosso município estamos andando a passos largos e creio que em breve teremos boas notícia, manterei informações do nosso andamento aqui, para que nosso exemplo possa contagiar os demais governantes.

Professora disse...

Prezado Jonny,

Nós aqui de Angra recebemos os adicional de insalubridade há mais de dois anos( 20%), não sabemos informar quais outros municípios pagam esses benefício, sabemos que o do Rio está em fase final de aprovação.
Torcemos que consigam, pois realmente nosso trabalho é insalubre.