Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

MOVIMENTAÇÃO DO PL 5446/2009

Abaixo segue a última movimentação do PL 5446 do Deputado Carlos Zarattini:




Acompanhamento de Proposições




Brasília, quinta-feira, 07 de abril de 2011.




PL-05446/2009 - Dispõe sobre a contagem do tempo de exercício dos profissionais que exercem atividades em unidades de educação infantil como de efetivo exercício do magistério.





- 05/04/2011 Encerrado o prazo para emendas ao projeto. Não foram apresentadas emendas.




Enquanto o PL anda nosso abaixo assinado parece estar estacionado, afinal até agora só chegamos a mil assinaturas, desse jeito fica difícil chamar a atenção do Governo Federal.


Como não deixar que os problemas da categoria sejam esquecidos pelo governo nessa tão anunciada expansão de creches públicas se não podemos sequer colher algumas assinaturas.


É necessário um maior empenho de todos. Temos que agir! ! !

4 comentários:

atendentes de praiagrande disse...

Diante dos últimos acontecimentos, com ameaças de morte a nossa secretária de educação, Maura ligía costa russo, nós atendentes de educação tratamos essa postura com sentimento de repúdio e que somos contra toda e qualquer violência seja ela física, psicológica ou verbal e esta suposta atendente não representa em nenhuma hipótese a posição da classe dos atendentes de educação.
Mas conseqüentemente a estas ameaças, a senhora maura ligía conclama a toda sociedade para um discurso que aparentemente é a chamada para a paz mas que em implicitamente coloca o trabalho de todos nós atendente de educação sobre suspeição, portanto em relação a estas colocações nós não concordamos com tais expressões,pois as mesma passa a mensagem de que nós somos pessoas más e violentas ,deixando bem claro que as crianças podem estar sendo maltratadas com violências físicas, psicológicas e verbais,e verdadeiramente usando os pais para perseguir a todos nós.

Precisamos deixar claro que a escola é onde os conflitos acontecem onde as relações humanas acontecem em grande escala e muitas vezes essas relações entram em choque porque todos nós somos diferentes e por se tratar de um país com um a diversidade cultural imensa essas mesmas relações fica ainda mais em evidencia, sem contar o fator das cobranças necessárias para o trabalho andar corretamente,tanto nossa em relação aos pais,que algumas vezes não é pacifica ou da direção para conosco.
Muitas vezes somos perseguidos pela seduc que através de seus subordinados nos oprimem com ordens sem sentido algum, portanto nós não somos respeitados pelos pais que não nos consideram educadores e simplesmente cuidadores de seus filhos, toda situação que é um pouco mais conflituosa, eles passam por cima de todos inclusive da direção e leva ocaso para a seduc,e o veredicto geralmente é contra todos nós profissionais da educação,se pararmos para pensar nós é que somos desrespeitados tanto eticamente ,moralmente e verbalmente.

ATENDENTES DE EDUCAÇÃO DE PRAIAGRANDE disse...

A senhora secretária de educação,Maura ligía costa russo em seu protesto contra a violência,deixa claro que todos nós somos profissionais valorizados,é que a diferença de nossos salários para o professor é de $22,00,o que não concordamos portanto nosso salário é 589,93,insalubridade 117,99 e uma gratificação de 50% acima do nosso salário base,dando um total de 1032,38,sabendo que insalubridade não é salário,eu ganho somente quando estou presente fisicamente no trabalho ,esse ganho é invariável,o salário do professor é de 1094.44com mais 175,00 reais amais por hora atividade e trabalho pedagógico,a diferença é de 237,06 e não de 22,00 reais sem falar nas questões de aposentadoria.
Esta administração precisa ser mais transparente com as pessoas e não usá-las politicamente para atingir seus objetivos ,essa administração tem relutado em admitir nossa inserção no quadro do magistério,até mesmo porque sabemos que é de direito, uma vez que recebe verba federal para o pagamento de parte de nosso vencimentos, não existem mais diferenças entre o que fazemos e os professores,apesar de se estar tentando mascarar esta realidade, o que é verdadeiramente para ser discutido é a reorganização da nossa atividade dentro do processo administrativo,sabemos que a transposição para professora é ilegal,mas não é essa a nossa busca,apesar de que todos somos professoras, para eu entrar nessa prefeitura como atendente tenho que comprovar que tenho diploma de pedagogia ou técnico de magistério,que é formação exigida para professora.
A professora em praia grande é em grande parte contratado principalmente os que atuam na pré escola ,estes contratos são de dois anos ,e a atual gestão não te nenhum interesse em mudar essa situação.
Uma gestão que tem como parâmetro de valorização seja ela salarial ou profissional apenas o mínimo é vergonhoso ,fica a pergunta porque não ter como parâmetro a cidade de santos e Cubatão e até mesmo são Vicente,que buscam a excelência na

ANA CLARA disse...

aqui se monitor chegar perto dosw pais na rua e a direçao ficar sabendo da ate registro em ata com direito repreensao e tudo o mais.

Professora disse...

Se isso acontecer, após ser feito o registro, peça uma cópia através do protocolo da Prefeitura e entre no MP, eles não tem poder de impedir vocês falarem com os pais, ainda mais fora do ambiente da creche.