Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

sábado, 16 de outubro de 2010

PARABÉNS AO PREFEITO DE IPORÁ-GO, QUE DEIXOU DE SER UMA PEDRA NO CAMINHO DOS EX-ADIS.

Comentário retirado da postagem:QUALIFICAÇÃO SEM VALORIZAÇÃO. NÃO MESMO!!!!

"Esse é o caminho. Conseguimos nosso enquadramento, e cumprimento das horas atividades aqui em Ipora-go, dessa forma, pressionando os vereadores, a administração, em fim, esse é o caminho. Apartir de 01/10/2010, somos reconhecidas como professor de desenvolvimento infantil, com o mesmo salário dos demais professores do município."
Valci.
Estamos muito felizes pela vitória dos ex-Auxiliares de Desenvolvimento Infantil de Iporá, que acompanhamos a quase um ano, parabéns pela luta, pela determinação e pela união que é algo fundamental para que os objetivos sejam alcançados.

Fizemos uma postagem com o título:Prefeito José Antônio da Silva Sobrinho, uma pedra no sapato dos ADIs em Iporá-GO. Nesta ocasião as ADIs de Iporá lutavam para que o prefeito cumprisse a lei municipal que os enquadravam como Professores de Desenvolvimento infantil criada pelo prefeito anterior que perdeu as eleições.

Nossas colegas de Goiás não desistiram e começou uma batalha incansável que resultou obviamente na vitória.

Agradecemos a nossa amiga Valci que tem contribuído nos enviando diversos documentos através de e-mail e temos certeza que continuará a torcer muito por todos nós, para que nossos administradores enxerguem as transformações ocorridas na educação Infantil, para que enxerguem que a situação estava muito cômoda, pois gastavam e muitos ainda gastam migalhas com a remuneração dos Auxiliares de Creche que cumprem muitíssimo bem a papel do Professor de Educação Infantil com qualificação adequada, mas já deviam ter percebido que esta situação está insustentável, nos abrimos os olhos e não descansaremos enquanto nossos direitos não forem respeitados.

Não duvidamos nada que a resposta que teremos com relação a nossa valorização como educadores seja NEGATIVA, pois é esta a impressão que temos todas as vezes que nos reunimos com a gestão atual da Secretaria de Educação de Angra dos Reis-RJ, não conseguimos enxergar nem um pingo de boa vontade desses gestores em mudar nossa situação, muito pelo contrário, houve sim arrocho, perseguição e descaso com a causa,. Em todos os municípios onde houve a regularização do cargo a(o) Secretária(o) de Educação e a(o) Prefeita(o) estavam diretamente envolvidos neste processo o que não acontece em Angra dos Reis,

É uma pena! profissionais satisfeito: aumento de qualidade no ensino de nossas crianças!

4 comentários:

Anônimo disse...

As coisas ficam muito mais fáceis quando há o bom senso dos administradores, eles sabem que a gente faz as atribuições do Profº de Educ Infantil, então, nada mais justo que o enquadramento como fêz o prefeito de Iporá, em cumprimento aà legislação federal.

Anônimo disse...

O negócio é tão confuso pra quem não entende que uma professora disse que o proinfantil era pra ser um complemento para elas, pois é para professor em exercício, só que ela esqueceu de ler que o Proinfantil é um curso de FORMAÇÃO INICIAL, então é justamente para quem não tem o normal, até essas coisas óbvias a gente tem que estar explicando, que coisa!!!

Anônimo disse...

Aqui em Angra cada vez que buscamos apoio da educação, uma simples reunião vira um campo de batalha: não param para ouvir, analizar e compreender, ao contrário falam todos ao mesmo tempo, ameaçam, ofendem e perseguem os poucos profissionais de creche que batalham em nome do grupo; sem contar com essse vereador, chefe da comissão de educação que promete, promete e até agora nada de concreto. Tá difífil!

valci_gomes disse...

É colegas, graças a Deus e a muita luta, conseguimos nosso enquadramento. Mas não foi por boa vontade da administração, foi porque conseguimos a adesão de 90% dos vereadores à nossa luta. E assim conseguimos que eles vinculassem nosso enquadramento a uma votação de um projeto de aprovação de crédito suplementar a pedido do prefeito, sendo que sem a aprovação deste, seria impossível a prefeitura cumprir com qualquer que seja de seus compromissos. Ou seja, foi um jogo de troca. Por isso, mobilizem pais, mães, sociedade e o poder legislativo. Esse é o caminho. Vá em frente. E conte conosco.
A prefeitura na verdade tá com nossa categoria literalmente atravessada na garganta. Estão fazendo o podem e o que não podem para nos prejudicar. Pra vcs terem idéia, estão fazendo nosso enquadramento como se estivéssemos entrando agora na prefeitura. Não estão considerando nosso tempo de serviço. Mas a luta continua, se precisar vamos brigar na justiça pelo nosso tempo de serviço. Pois todos os outros funcionários foram enquadrados na referencia de acordo com o seu tempo de serviço, só para nós que não. Por isso colegas, a luta ainda continua, e agora que já fomos enquadradas, vamos exigir todos os nossos direitos. Pra vcs terem idéia de a união faz a força, a maioria dos "professores" não aceitaram com boa vontade a nossa conquista, levantando algumas críticas,etc. E agora estão se mobilizando para também reivindicarem direitos como o piso salarial, acesso de nível, horas atividade, em fim, viram que só conseguimos porque unimos e fomos a luta.
Boa Sorte!
Valci.