Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

domingo, 10 de outubro de 2010

QUALIFICAÇÃO SEM VALORIZAÇÃO. NÃO MESMO!!!!

Comentários retirados da postagem: Monitores de Creche dizem basta!!!


Por Sônia em GREVE:

Meninas nós em Santos estamos nos mobilizando vejam: MONITORAS DE CRECHE PROTESTAM NESTA SEGUNDA-FEIRA 24/09/2010 De camisas pretas simbolizando luto, as monitoras de creche estarão nesta segunda-feira, dia 27, a partir das 15 horas, na Praça Mauá, panfletando e coletando assinaturas para o abaixo-assinado contra a intenção da Seduc em mudar as profissionais de seus locais de trabalho. O documento, que deve contar com mais de 5 mil assinaturas, vai ser entregue no gabinete do prefeito às 17h30. Na sequência, as profissionais farão um protesto surante a sessão da Câmara com faixas e cartazes. A mobilização é uma das ações definidas pelo Grupo de Trabalho formado por monitoras de creche representando cada UME. Além das profissionais, pais, mães e demais integrantes de cada comunidade escolar estão convidados a engrossar a mobilização. É hora de mostrar que as monitoras não são profissionais de segunda categoria, mas sim educadoras qualificadas e merecedoras de respeito e reconhecimento como qualquer outra classe!

MONITORAS DE CRECHE PARALISAM SESSÃO DA CÂMARA 27/09/2010 As monitoras de creche compareceram em peso na sessão da câmara desta segunda-feira para se fazerem ouvir e conseguiram. Vestidas de preto em sinal de luto, cerca de 80 servidoras paralisaram os trabalhos por 40 minutos. Após manifestação na Sala Princesa Isabel, o presidente da casa, Marcus De Rosis, chamou as profissionais para conversar. Ele e os demais vereadores presentes, sobretudo o presidente da Comissão da Educação, Braz Antunes, se comprometeram publicamente em apoiar a categoria na resistência às mudanças anunciadas pela Seduc que impedem as profissionais de fixar sede em seus atuais locais de trabalho e abrem caminho para uma série de discriminações e desvalorizações da função. Além do ato de repúdio na Câmara, as profissionais, acompanhadas pelos diretores do Sindserv e por alguns pais e mães de alunos, entregaram no gabinete do prefeito Papa um abaixo-assinado contendo 6.800 assinaturas contra as referidas medidas da Seduc. Este foi apenas um dos atos que poderão acontecer caso a Seduc não reveja a sua postura. A luta é pela obtenção de garantias de que as monitoras não serão rebaixadas a meras babás dentro das UMES. Muitas cidades do Brasil já estão em sintonia com a LDB e reconhecem as monitoras com a devida formação exigida em lei como professoras. Apesar de ter oferecido e custeado o curso de pedagogia para todas, Santos vem andando na contramão há vários anos, se omitindo nesta questão tão importante.

Nossa luta continua, MONITORAS VOLTARAM A PROTESTAR NA CÂMARA 07/10/2010 As monitoras de creche de Santos voltam a ocupar as galerias da Câmara ontem (07/10) para potestar novamente contra a atitude da Seduc em remanejá-las de local de trabalho. No dia 27, após paralisarem a sessão e entregarem um abaixo-assinado contra a medida, elas obtiveram o compromisso do presidente do Legislativo, Marcus De Rossis, bem como dos integrantes da CEV da Educação, de que uma reunião seria marcada com a secretária Sulely Maia para discutir o assunto. Porém, nada foi encaminhado desde então. As monitoras vão continuar lutando pelo compromisso de que não vão ser remanejadas de seus atuais locais de trabalho e de que serão reconhecidas como educadoras. Afinal, foi com esse objetivo que a Prefeitura custeou cursos superiores de pedagogia às profissionais, conforme prevê a Lei de Diretrizes e Bases (LDB). SÓ A LUTA MUDA A VIDA!


Olá Sônia,

É um prazer mais uma vez contar com seus comentários no Blog da Educação Infantil que vem sempre trazendo informações necessárias e contendo injeção de ânimo nesse povo que insite em permanecer na ociosidade acometidos de síndromes enumeradas aqui.

O Governo Federal vem investindo na formação dos auxiliares de creche, mas peca ao deixar a decisão da valorização nas mãos dos prefeitos que não tem essa intenção e sim de encherem os bolsos, eles precisam do repasse do FUNDEB que por sua vez cobra nossa formação, essa cobrança deveria vir seguida de uma suspensão do repasse caso os municípios não nos valorizassem como devido, por conta dessa omissão do FUNDEB e da LDB nossos(as) Secretários(as) de Educação fingem-se de mortos e como um efeito cascata muitos estados e municípios agem da mesma forma, fornecem a formação dos auxiliares, continuam com dinheiro(justamente o que lhes interessam) e nos mantêm com baixos salários, fazendo o trabalho de um profissional que ganharia o dobro e com uma carga horária extensa.

Cabe a nós dar um basta nessa pouca-vergonha e cobrar de forma veemente nossa valorização, precisamos, caso necessário, usar de todos os mecanismos para chamar atenção da sociedade assim como do próprio governo federal .

Parabéns pela organização da categoria, assim mostraremos nosso valor!

5 comentários:

antoniofrederico disse...

O problema de desvalorização e falta de reconhecimento é NACIONAL.
Devemos nos articular e pressionar o Governo Federal para regulamentar a nossa profissão.
Os municípios não estão acatando o que normatiza a LDB. Já é hora do MEC intervir.

Anônimo disse...

TURMALINA MG, ESTA A UM PASSO PELO ENQUADRAMENTO DAS MONITORAS COMO EDUCADORAS INFANTIS, SO FALTA PASSAR PELA CAMARA.DEPOIS QUE PROCURAMOS O PREFEITO DA CIDADE E CONTAMOS COM O APOIO DA SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO, CONSEGUIMOS SER INCLUIDOS NO PLANO DE CARREIRA DO MAGISTERIO TENDO OS MESMOS DIREITOS DOS PROFESSORES, ALEM DE REDUÇÃO DA CARGA HORARIA, QUE ANTES ERA 8 HORAS, AGORA SERA DE 6 HORAS. ESPERAMOS QUE LOGO ELE SEJA APROVADO NA CAMARA, POIS O PREFEITO E A SECRETÀRIA DE EDUCAÇÃO JÁ NOS DEU TODO SEU APOIO. ENFIM TEREMOS NOSSA VALORIZAÇÃO. PARABENS A TODOS OS ENVOLVIDOS NESTE PROCESSO , COORDENADORES, GRUPO DE EDUCADORES, SENHOR PREFEITO E SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO, POR MOSTRAR QUE VALE A PENA LUTAR.

Anônimo disse...

Concordo com o Antonio frederico, sou recreadora de angra e acho que o nosso prefeito nao vai resolver nada,nao vai acatar LDB.
Temos sim pressionar o governo federal.
Ja passei um mail para o ministro da educaçao,vamos ver se ele responder.Se nao aconteçer nada vamos partir para uma greve.
balneario

valci_gomes disse...

Esse é o caminho. Conseguimos nosso enquadramento, e cumprimento das horas atividades aqui em Ipora-go, dessa forma, pressionando os vereadores, a administração, em fim, esse é o caminho. Apartir de 01/10/2010, somos reconhecidas como professor de desenvolvimento infantil, com o mesmo salário dos demais professores do município.

Anônimo disse...

Gostei da idéia do Antônio Frederico, deveriamos fazer uma manifestação a nivel nacional quem sabe assim conseguiriamos chamar a atenção do governo federal para a nossa situação.
Em relação a outra colega , também já enviei email para o ministro da educação e ainda não obtive resposta,mandei email para o Mec , a Srª Maria do Perpétuo Socorro me respondeu assim :

Já o encaminhamos à COEDI/MEC (Coordenação-Geral de Educação Infantil), localizada no 6º andar-sala 623-Ministério da Educação.
>>
>> Por outro lado, a senhora já pensou em apresentar um documento ao Sr. Prefeito de seu município, contendo os questionamentos abaixo e assinado pelos profissionais das creches?
>>
>> Acreditamos que o mesmo dar-lhes-á uma resposta plausível, uma vez que é de responsabilidade da prefeitura quaisquer assuntos concernentes às creches, inclusive.
>>

Acredito que não só eu mas a maioria de todos nós já tentou todos os meios , mas a liberdade dada as prefeituras pelo Mec em escolherem o que lhes é mais conveniente acaba por entravar a nossa devida valorização.
Mas continuemos a lutar por nossa tão merecida valorização.