Rumo a regulamentação de nosso cargo!!!

Mesmo após a LDB/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e o PNE/2001 (Plano Nacional de Educação), quando as creches deixaram de ter um caráter assistencialista e passaram a ser consideradas a primeira etapa da educação básica, onde quem trabalha em contato diretamente com as crianças é o professor e necessita ter a formação mínima em nível médio na modalidade normal para estar em sala de aula, muitos municípios continuaram a fazer concursos com a exigência de apenas nível fundamental ou médio, com nomenclaturas como auxiliar de recreação, berçário, auxiliar de creche, pajem, entre outras até os dias de hoje e como resultado disso exercemos atividades de docente, pois as creches de fato fazem todo o trabalho pedagógico, porém temos salários e direitos bem inferiores aos dos professores, mesmo tento a qualificação exigida por lei.

Convocamos aos ainda erroneamente chamados auxiliares, pajens, monitores, entre outras denominações a caminhar pela criação de nossa verdadeira identidade que é a de Professor de Educação Infantil, em muitos municípios profissionais como nós já conquistaram seus direitos agora é a nossa vez.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

GREVE: Monitores de Creche dizem basta!!!

Em Balneário Camburiú-SC os Monitores de Creches após várias tentativas sem obter sucesso, resolveram entrar em greve.

http://www.aderbalmachado.com.br/noticia/noticia.php?id=5677

Imaginem vocês que nesta cidade existem os Professores, Professores Auxiliares e Monitores de Creche, a prefeitura fez um novo concurso para professor Auxiliar(com as mesmas atribuições do Monitor) em obediência a LDB, e simplesmente ignorou as antigas Monitoras, não deu outra,entraram em greve. Esperamos que em Angra dos Reis não precisaremos chegar a este extremo.

18 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, Pior que existe lugar onde o município é mais cara de pau ainda, como pode criou a função professor auxiliar e não regulamentou a situação dos monitores de creche que realizam a mesma função.
Pelo que vi nos comentários dos monitores de lá, eles não vão permitir que esta situação absurda vá adiante. O prefeito de Camburiú não tem mais pra onde correr, os monitores já acordaram por lá. Infelizmente em muitos lugares o diálogo, o bom senso e o simples fato dos municípios terem que cumprir a lei, não foram suficientes para que a regulamentação do cargo se tornasse realidade.
Só mesmo manifestação e greve pra dar jeito nessa bagunça!

Anônimo disse...

É... cada vez mais eu vejo que o cerco está se fechando para todas prefeituras displicentes neste Brasil a fora.

Anônimo disse...

A briga é em todo o país, não há mais como fujir desta nova/velha realidade da educação infantil, se os dirigentes dos municipios tivessem o mínimo de respeito pela a educação, não estaríamos discutindo isto nos dias de hoje, a regulamentação da categoria já teria sido feita deste 1996 com a criação da LDB.

Bete disse...

Estes municípios preferem tapar o sol com a peneira, fico pensando no Rio de Janeiro, uma cidade tão importante no mundo, ficar se sujando com uma causa ganha,isto só contribui para difamar a cidade, como uma cidade que não se importa com a educação de suas crianças.

Anônimo disse...

Temos que começar a nos mobilizar, entrar em contato com outros municípios para articularmos uma greve a nível NACIONAL!!!!!

Sônia disse...

Meninas nós em Santos estamos nos mobilizando vejam:
MONITORAS DE CRECHE PROTESTAM NESTA SEGUNDA-FEIRA
24/09/2010



De camisas pretas simbolizando luto, as monitoras de creche estarão nesta segunda-feira, dia 27, a partir das 15 horas, na Praça Mauá, panfletando e coletando assinaturas para o abaixo-assinado contra a intenção da Seduc em mudar as profissionais de seus locais de trabalho.

O documento, que deve contar com mais de 5 mil assinaturas, vai ser entregue no gabinete do prefeito às 17h30. Na sequência, as profissionais farão um protesto surante a sessão da Câmara com faixas e cartazes.

A mobilização é uma das ações definidas pelo Grupo de Trabalho formado por monitoras de creche representando cada UME.

Além das profissionais, pais, mães e demais integrantes de cada comunidade escolar estão convidados a engrossar a mobilização. É hora de mostrar que as monitoras não são profissionais de segunda categoria, mas sim educadoras qualificadas e merecedoras de respeito e reconhecimento como qualquer outra classe!

Sônia disse...

MONITORAS DE CRECHE PARALISAM SESSÃO DA CÂMARA
27/09/2010








As monitoras de creche compareceram em peso na sessão da câmara desta segunda-feira para se fazerem ouvir e conseguiram.

Vestidas de preto em sinal de luto, cerca de 80 servidoras paralisaram os trabalhos por 40 minutos. Após manifestação na Sala Princesa Isabel, o presidente da casa, Marcus De Rosis, chamou as profissionais para conversar. Ele e os demais vereadores presentes, sobretudo o presdente da Comissão da Educação, Braz Antunes, se comprometeram publicamente em apoiar a categoria na resistência às mudanças anunciadas pela Seduc que impedem as profissionais de fixar sede em seus atuais locais de trabalho e abrem caminho para uma série de discriminações e desvalorizações da função.

Além do ato de repúdio na Câmara, as profissionais ,acompanhadas pelos diretores do Sindserv e por alguns pais e mães de alunos, entregaram no gabinete do prefeito Papa um abaixo-assinado contendo 6.800 assinaturas contra as referidas medidas da Seduc.

Este foi apenas um dos atos que poderão acontecer caso a Seduc não reveja a sua postura. A luta é pela obtenção de garantias de que as monitoras não serão rebaixadas a meras babás dentro das UMES. Muitas cidades do Brasil já estão em sintonia com a LDB e reconhecem as monitoras com a devida formação exigida em lei como professoras. Apesar de ter oferecido e custeado o curso de pedagogia para todas, Santos vem andando na contramão há vários anos, se omitindo nesta questão tão importante.

Sônia disse...

Nossa luta continua,
MONITORAS VOLTARAM A PROTESTAR NA CÂMARA
07/10/2010



As monitoras de creche de Santos voltam a ocupar as galerias da Câmara ontem (07/10) para potestar novamente contra a atitude da Seduc em remanejá-las de local de trabalho.

No dia 27, após paralisarem a sessão e entregarem um abaixo-assinado contra a medida, elas obtiveram o compromisso do presidente do Legislativo, Marcus De Rossis, bem como dos integrantes da CEV da Educação, de que uma reunião seria marcada com a secretária Sulely Maia para discutir o assunto. Porém, nada foi encaminhado desde então.

As monitoras vão continuar lutando pelo compromisso de que não vão ser remanejadas de seus atuais locais de trabalho e de que serão reconhecidas como educadoras. Afinal, foi com esse objetivo que a Prefeitura custeou cursos superiores de pedagogia às profissionais, conforme prevê a Lei de Diretrizes e Bases (LDB).


SÓ A LUTA MUDA A VIDA!

Sônia disse...

Meninas continuamos lutando acho que devemos unir nossas experiencias na luta, afinal somos professoras sim!!!

Anônimo disse...

Aqui em altinopolis sp e a mesma novela que vivemos, uma vergonha.

Anônimo disse...

sou monitora desde 2007 ,em 2009 passei en um processo seletivo para professor ,pedi afastamento das minhas funçoes de monitora ,recebi o afastamento , e me foi atribuida uma sala de pre- escola mista de zona rural, quando eu ia iniciar minhas atividades como professora ,a prefeitura me convocou a retomar minhas funçoes de monitora ou pedir demissao.voltei ao meu cargo efetivo,pois preferi minha estabilidade.mas hoje quando reinvindico algo em meu favor e de minhas colegas, tomo na cara das minhas superiores, preferiu ser monitora agora aguenta. como se ser monitora fosse algo que me humilha-se.

Professora disse...

Olá Anônimo de 11:8,

Infelizmente o preconceito é o maior problema que a categoria enfrenta. A profissão é muito inferiorizada, principalmente por professores de outros seguimentos, mas com persistência e organização conquistaremos nosso reconhecimento.

Abraços.

Anônimo disse...

Ser monitora fica cada vez mais dificil ninguem nos da nossos direitos , temos que educar ,ensinar, cuidar ,sem o devido reconhecimento. Até quando vai continuar essa palhaçada

Anônimo disse...

Aqui em Altinopolis nós monitoras estamos antenadas com tudo que ta falando no blog. Eu e minhas colegas estamos na luta.Na minha escola vieram me falar : Vai ser professora! Vai dar aulas!Larga mao disso dai , voce vai se queimar ta lutando sozinha rsrs Desinformada coitada...

Anônimo disse...

se eu for perseguida, ou se tentarem me calar? por eu estar colocando minhas colegas apar das leis projetos de lei que nos favorecem? faço o que?

Anônimo disse...

AQUI EM ALTINOPOLIS O PREFEITO FOI ATE A FRANÇA DIZER QUE A EDUCAÇAO INFANTIL DE ALTINOPOLIS E DE PRIMEIRO MUNDO,QUE O QUE TEM DADO MAIS CERTO E O ENTROSAMENTO ENTRE OS PROFESSORES E OS MONITORES. EM QUE MUNDO ELE ESTA? QUE NAO VE O QUANTO TODAS AS MONITORAS ENTAO SE SENTINDO EXPLORADAS E HUMILHADAS PELAS PROFESSORAS? NOS RECEBEMOS SALARIO MINIMO ,TRABALHAMOS 8 HRS POR DIA FORA AS HORAS QUE TRABALHAMOS FORA DO NOSSO HORARIO COMO EM FESTAS E COMEMORACOES E NO PEDACINHO DO CEU ONDE FAZEMOS ATIVIDADES PEDAGOGICAS E AS APRESENTAMOS A TODA A POPULAÇAO, ISSO AQUI E A MAIOR EXPLORAÇAO DO MUNDO.CONTRATAM SEM QUALIFICAÇAO NA PURA INTENÇAO DE NOS EXPLORAR ATE O SANGUE,CONTANDO QUE SOMOS TODAS IGNORANTES E NAO SABEMOS LUTAR POR NOSSOS DIREITOS.

Weslei10 disse...

AQUI EM "ALTINÓPOLIS-SP" Onde nosso Prefeito "NANÃO" vai viajar com o dinheiro PÚBLICO e conta mentiras sobre a educação, dizendo que MONITORES E PROFESSORES trabalham em parceria, mas que na verdade os MONITORES fazem o mesmo PAPEL que professores e ganham 1 SALÁRIO MÍNIMO.
Concluindo uma vergonha NACIONAL, nossa cidade nunca irá progredir com essa vergonha imposta aos MONITORES DE TODOS OS SETORES EM ALTINÓPOLIS SP!

Anônimo disse...

Sou monitora de creche a15 anos sem reconhecimento tenho sala atribuida para mim